12 de fevereiro de 2013

AGREMIAÇÕES INCONSCIENTES


AGREMIAÇÕES INCONSCIENTES

Com a aproximação das festas comemorativas do carnaval, muitos se questionam sobre a licitude de um Cristão em aproveitar esse momento. Lembrando aqui que Cristão é todo aquele que segue os preceitos e postulados orientados pelo Cristo, independente da denominação da seita religiosa a qual se professe.
Nesta busca por justificar tal conduta ou coibir esses anseios materialistas e meramente carnais, convidamos a todos à algumas simples reflexões.
Quando nos prontificamos a analisar um pouco mais atentamente sobre o princípio criador, aquele que origina as mais variadas situações e paisagens, percebemos que tudo o que nos circunda principia-se dessa vontade ativa.
Somos potente usina construtora, onde a todo instante idealizamos os mais inusitados projetos e os mais variados condicionamentos através de nosso pensamento constante.
No plano físico, todas as construções, instrumentos e utensílios foram projetados em nossa mente e posteriormente confeccionados em acordo com a necessidade e a matéria prima a qual melhor lhe adéqüe. Concluímos assim que, tudo o que nos cinge a existência, é fruto do planejamento para a melhor utilização dos recursos ao qual nos dispomos no momento.
A necessidade do aprimoramento esta diretamente ligada a lei do progresso, nos oportunizando a possibilidade de melhorar e evoluir, utilizando todas as ferramentas disponíveis para esse processo.
A evolução tecnológica nos oferta uma multiplicidade de opções e concede uma infindável variedade de mecanismos para a comunicação, o entretenimento, reduzindo distancias, aproximando países e estreitando os laços, entretanto, quando não utilizada de forma correta e sóbria, pode tornar-se perniciosa armadilha para os menos vigilantes.
Todos possuímos tendências menos dignas, cada qual apresenta suas dificuldades e particularidades, mesmo que não tenhamos cometido determinado ato errôneo, isso não nos concede a certeza de que em determinada situação não viríamos a cometê-lo. Podemos não cometer esse equivoco, mas provavelmente podemos cometer algo tão impróprio que lhe assemelhe a conseqüência do erro de nosso próximo e que insistimos em apontar e evidenciar.
Sendo assim, antes de julgarmo-nos superiores a outrem, cabe-nos o discernimento de interiorizarmo-nos e conhecermo-nos, pois só assim poderemos respeitar as escolhas do próximo e mesmo que não concordemos com suas condutas, faz-se imperativo respeitar. Caso ensejemos instruí-los em relação à melhor maneira de se portar, que façamos com uma gota de verdade em um recipiente cheio de caridade.
Somos espíritos em evolução, carregando conosco as mais variadas intenções e anseios, ainda impregnados pelos sentimentos materialistas, arraigados ao orgulho e vaidade, o que nos coloca em perfeita sintonia com companheiros com o mesmo quadro vibracional.
Mesmo que silenciemos nossas palavras para as pessoas que nos circundam a vida, sempre seremos observados pela platéia invisível que sonda-nos o intimo. O apostolo Paulo mesmo nos orienta que somos observados por uma nuvem de testemunhas (Hebreus 12:1), portanto, mesmo que ocultos aos olhos do mundo, ainda sim, analisados pelas emanações de energias oriundas de nossas tendências.
Compreende-se que em determinadas épocas festivas em nosso plano físico, a concentração de forças envolvidas em ações focadas na valorização da sensualidade e de sentimentos carnais é mais incisiva e constante, entretanto, as pessoas se esquecem que em todos os momentos tais sentimentos nos ladeiam, através de nossas intenções e vibrações mentais.
Lembremo-nos que tudo que fazemos, refletem o estado intimo que nos encontramos, as programações que assistimos, as conversações que participamos, os agrupamentos ao qual nos filiamos, enfim, tudo que nos dedicamos a fazer em todos os determinados momentos de nossa vida, são exatamente a personificação de nossos mais ocultos sentimentos e anseios.
Sendo assim, não nos deixemos iludir pelas justificativas egoísticas, que buscam apenas encobrir nossas verdadeiras intenções. Somos o que pensamentos e o que fazemos, lembrando sempre que aquele que não é senhor de seu pensamento, torna-se servo de suas palavras e escravo de suas ações.
Este convite à reflexão não é apenas para a festa do carnaval, mas para todos os momentos de nossa vida, pois como diz o espírito da verdade na questão 459 do Livro dos espíritos, em relação a influencia dos espíritos em nossa vida. Passemos a perceber nossas condutas e analisar nossas propostas de vida, assim saberemos quais convidados estão nos acompanhando no dia a dia.
A influência espiritual sempre irá existir, entretanto não quer dizer que seja nociva, pois a tentação, nada mais é que as tendências que possuo em sua mais ampla atuação. Somente somos tentados por aquilo que nos atrai.
Não deixemos que nossos sentimentos orgulhosos venham a ferir o próximo, apenas porque não concordamos com suas condutas. Se desejamos orientar qual o melhor caminho a ser percorrido, devemos seguir os passos do Cristo, pois a palavra desperta, mas o exemplo arrasta.
Sejamos mansos como as pombas e prudentes como a serpente, como nos orienta o Mestre Jesus em relação aos mais inusitados convites à perversão e aos anseios da carne.
Como dissemos no inicio, esse é apenas um convite para a reflexão, uma oportunidade de retirar a mascara que carregamos para a sociedade e insistimos em utilizá-la em nosso cotidiano.
 Apenas um alerta: O carnaval Cristão é o serviço de auxílio ao próximo, seguindo o exemplo de Jesus, que se alegrava em Trabalhar em nome de Deus, em repartir o que tinha e em propagar o amor. 

Evangelho Diário - O Evangelho segundo o Espiritismo, cap. XIII, itens 1 a 3.


Fazer o bem sem ostentação
Tende cuidado em não praticar as boas obras diante dos homens, para serem vistas, pois, do contrário, não recebereis recompensa de vosso Pai que está nos céus. — Assim, quando derdes esmola, não trombeteeis, como fazem os hipócritas nas sinagogas e nas ruas, para serem louvados pelos homens. Digo-vos, em verdade, que eles já receberam sua recompensa. — Quando derdes esmola, não saiba a vossa mão esquerda o que faz a vossa mão direita; — a fim de que a esmola fique em segredo, e vosso Pai, que vê o que se passa em segredo, vos recompensará. (S. MATEUS, cap. VI, vv. 1 a 4.)
Tendo Jesus descido do monte, grande multidão o seguiu. Ao mesmo tempo, um leproso veio ao seu encontro e o adorou, dizendo: Senhor, se quiseres, poderás curar-me. — Jesus, estendendo a mão, o tocou e disse: Quero-o, fica curado; no mesmo instante desapareceu a lepra. — Disse-lhe então Jesus: abstém-te de falar disto a quem quer que seja; mas, vai mostrar-te aos sacerdotes e oferece o dom prescrito por Moisés, a fim de que lhes sirva de prova. (S. MATEUS, cap. VIII, vv. 1 a 4.)
Em fazer o bem sem ostentação há grande mérito; ainda mais meritório é ocultar a mão que dá; constitui marca incontestável de grande superioridade moral, porquanto, para encarar as coisas de mais alto do que o faz o vulgo, mister se torna abstrair da vida presente e identificar-se com a vida futura; numa palavra, colocar-se acima da Humanidade, para renunciar à satisfação que advém do testemunho dos homens e esperar a aprovação de Deus. Aquele que prefere ao de Deus o sufrágio dos homens prova que mais fé deposita nestes do que na Divindade e que mais valor dá à vida presente do que à futura. Se diz o contrário, procede como se não cresse no que diz.
Quantos há que só dão na esperança de que o que recebe irá bradar por toda a parte o benefício recebido! Quantos os que, de público, dão grandes somas e que, entretanto, às ocultas, não dariam uma só moeda! Foi por isso que Jesus declarou: “Os que fazem o bem ostentosamente já receberam sua recompensa.” Com efeito, aquele que procura a sua própria glorificação na Terra, pelo bem que pratica, já se pagou a si mesmo; Deus nada mais lhe deve; só lhe resta receber a punição do seu orgulho.
Não saber a mão esquerda o que dá a mão direita é uma imagem que caracteriza admiravelmente a beneficência modesta. Mas, se há a modéstia real, também há a falsa modéstia, o simulacro da modéstia. Há pessoas que ocultam a mão que dá, tendo, porém, o cuidado de deixar aparecer um pedacinho, olhando em volta para verificar se alguém não o terá visto ocultá-la. Indigna paródia das máximas do Cristo! Se os benfeitores orgulhosos são depreciados entre os homens, que não será perante Deus? Também esses já receberam na Terra sua recompensa. Foram vistos; estão satisfeitos por terem sido vistos. É tudo o que terão.
E qual poderá ser a recompensa do que faz pesar os seus benefícios sobre aquele que os recebe, que lhe impõe, de certo modo, testemunhos de reconhecimento, que lhe faz sentir a sua posição, exaltando o preço dos sacrifícios a que se vota para beneficiá-lo? Oh! para esse, nem mesmo a recompensa terrestre existe, porquanto ele se vê privado da grata satisfação de ouvir bendizer-lhe do nome e é esse o primeiro castigo do seu orgulho.
As lágrimas que seca por vaidade, em vez de subirem ao Céu, recaíram sobre o coração do aflito e o ulceraram. Do bem que praticou nenhum proveito lhe resulta, pois que ele o deplora, e todo benefício deplorado é moeda falsa e sem valor.
A beneficência praticada sem ostentação tem duplo mérito. Além de ser caridade material, é caridade moral, visto que resguarda a suscetibilidade do beneficiado, faz-lhe aceitar o benefício, sem que seu amor-próprio se ressinta e salvaguardando-lhe a dignidade de homem, porquanto aceitar um serviço é coisa bem diversa de receber uma esmola. Ora, converter em esmola o serviço, pela maneira de prestá-lo, é humilhar o que o recebe, e, em humilhar a outrem, há sempre orgulho e maldade. A verdadeira caridade, ao contrário, é delicada e engenhosa no dissimular o benefício, no evitar até as simples aparências capazes de melindrar, dado que todo atrito moral aumenta o sofrimento que se origina da necessidade. Ela sabe encontrar palavras brandas e afáveis que colocam o beneficiado à vontade em presença do benfeitor, ao passo que a caridade orgulhosa o esmaga. A verdadeira generosidade adquire toda a sublimidade, quando o benfeitor, invertendo os papéis, acha meios de figurar como beneficiado diante daquele a quem presta serviço. Eis o que significam estas palavras: “Não saiba a mão esquerda o que dá a direita.”
 (Fonte: O Evangelho segundo o Espiritismo, cap. XIII, itens 1 a 3.)

Obrigado pela Presença

Amigos em Cristo, agradecemos a presença, fiquem a vontade e sintam-se em casa, afinal esse espaço é de todos e para todos.
Deixe-nos sua opinião, critica e sugestão para assim melhorarmos esse nosso singelo cantinho de encontro fraterno.
envie-nos um e-mail espiritismoafontedoamoruniversal@hotmail.com


Visão Espírita do Carnaval

Conduza a sua leitura clicando no botão > .

GRUPO RELICARIO DE LUZ

GRUPO RELICARIO DE LUZ
Grupo Evangelização Espírita - Visitem esse blog amigo

Pensemos Nisso

O QUE MAIS SOFREMOS
O que mais sofremos no mundo –
Não é a dificuldade. É o desânimo em superá-la.
Não é a provação. É o desespero diante do sofrimento.
Não é a doença. É o pavor de recebê-la.
Não é o parente infeliz. É a mágoa de tê-lo na equipe familiar.
Não é o fracasso. É a teimosia de não reconhecer os próprios erros.
Não é a ingratidão. É a incapacidade de amar sem egoísmo.
Não é a própria pequenez. É a revolta contra a superioridade dos outros.
Não é a injúria. É o orgulho ferido.
Não é a tentação. É a volúpia de experimentar-lhe os alvitres.
Não é a velhice do corpo. É a paixão pelas aparências.
Como é fácil de perceber, na solução de qualquer problema, o pior problema é a carga de aflições que criamos, desenvolvemos e sustentamos contra nós.
(Espírito: ALBINO TEIXEIRA - Médium: Francisco Cândido Xavier - Livro: "Passos da Vida" - EDIÇÃO IDE)
__________________________________________________________

Vale a pena assistir

Vale a pena assistir

Documentário Peixotinho

________________________________________________________

Mensagem de Reflexão

"A fé ilumina, o trabalho conquista, a regra aconselha, a afeição reconforta e o sofrimento reajusta; no entanto, para entender os Desígnios Divinos a nosso respeito, é imperioso renovar-nos em espírito, largando a hera do conformismo que se nos arraiga no íntimo, alentada pelo adubo do hábito, em repetidas experiências no plano material".

Livro Palavras De Vida Eterna - Francisco Xavier pelo espírito de Emmanuel



O Livro dos Espíritos on line

O Livro dos médiuns on line

O Evangelho Segundo o Espíritismo on line

O Céu e o Inferno on line

A Gênese on line

Obras Póstumas on line

Estudos e Palestras

Agua from PAN1911

VIDEOS ESPÍRITAS

Loading...